A batata doce cada vez mais faz parte da alimentação diária de muitos portugueses, pois para além de ser deliciosa, apresenta um alto valor nutricional, fornecendo mais de 90% dos nutrientes necessários ao organismo, como os hidratos de carbono, a fibra, a vitamina A, a vitamina C, o ferro e o potássio. A sua riqueza nutricional confere-lhe também propriedades benéficas para a saúde, das quais se destacam:

 

  • Propriedade antioxidante: a batata doce é rica em antioxidantes que permitem proteger o organismo da ação destrutiva dos radicais livres (compostos tóxicos produzidos pelo organismo) e prevenir a destruição e envelhecimento das células;

 

  • Propriedade antidiabética: a batata doce permite aumentar significativamente os níveis de adiponectina em indivíduos com diabetes tipo 2, que tendem a ter níveis mais baixos desta hormona e permite também melhorar a função pancreática, diminuir a resistência à insulina e regular os níveis de açúcar no sangue, devido ao seu índice glicémico baixo;

 

  • Propriedade anticancerígena: vários estudos demonstraram que o consumo de batata doce permite reduzir o risco de cancro da mama, colorretal, renal e da vesícula biliar devido às suas propriedades citotóxicas e anticancerígenas;

 

  • Melhora o sistema cardiovascular: a batata doce apresenta uma função de vasodilatação semelhante ao mecanismo de ação do agente farmacológico acetilcolina;

 

  • Melhora o sistema imunitário: estudos demonstraram que a batata doce combinada com outros agentes terapêuticos acelera a cicatrização da pele, aumenta a função fagocitária, a atividade hemolítica e a concentração sérica da imunoglobulina;

 

  • Propriedade antiulcerogénica: a batata doce apresenta uma função gastroprotetora semelhante ao mecanismo de ação do agente farmacológico omeprazol.

 

Phive Nutrition

 

 

Referências bibliográficas:
1. Mohanraj R, Sivasankar S. Sweet Potato ( Ipomoea batatas [L.] Lam) – A Valuable Medicinal
Food: A Review. J Med Food [Internet]. 2014;17(7):733–41. Available from:
http://online.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/jmf.2013.2818