Com o aumento da popularidade do iogurte grego é recorrente perguntarem na consulta “e o iogurte grego, é uma boa opção?”. A resposta é simples mas carece de explicação: depende do iogurte grego.

Afinal o que é um iogurte grego?

O iogurte grego é, basicamente, um iogurte mais concentrado do que o normal. Na sua produção é usado quatro vezes mais leite, e através do processo de filtração é retirado praticamente todo o seu soro.

Resultado: menor teor de lactose, maior teor proteico e, claro, a sua famosa textura cremosa. Acontece que pelo aumento de matéria prima necessária, e pelo próprio processo de produção, o seu custo para a indústria alimentar é bastante maior. Qual foi a solução para se reduzir os custos? É fácil, adicionam-se natas, agentes espessantes, amido de milho, proteínas lácteas, que mimetizam a textura de um iogurte grego, mas que não o igualam nutricionalmente. Estes iogurtes devem ser chamados “iogurte tipo grego”, o que nem sempre acontece, já que não existe regulamentação que assim o obrigue.

Então qual é a melhor forma de saber se está a ingerir um iogurte grego original? É simples, basta ver no rótulo os seus ingredientes. Se quer comer um iogurte grego e beneficiar das suas vantagens nutricionais então procure por iogurte constituido apenas por leite e bactérias lácteas, and that’s it!